João Marcos Mattos: especialista explica sobre o bruxismo e a pandemia do COVID-19

0
Bruxismo, apertamento ou briquismo é uma desordem funcional que se caracteriza pelo hábito de apertar (cêntrico) ou ranger os dentes (excêntrico), ocorre, com maior frequência, durante o sono, entretanto, também pode ocorrer durante o dia. Essa pressão causa dores de cabeça matinais, cansaço facial, desgastes e amolecimento dos dentes e na ATM – Articulação Temporomandibular.
De acordo com o doutor e mestre em biologia orofacial, João Marcos Mattos, teve um aumento exponencial nas reclamações dos pacientes durante esse período de pandemia e isolamento social provocado pelo COVID-19. Isso porque a causa desse hábito é gerada, em qualquer idade, por inúmeros fatores como situação de estresse, tensão, genética, ansiedade ou problemas físicos de oclusão ou fechamento inadequado da boca.

Quais os principais sintomas do Bruxismo?

O bruxismo tem como sintoma mais comum a dor de cabeça matinal, de forma geral tanto o bruxismo como o briquismo, nome dado a esse hábito quando ocorre durante o dia, podem causar desgastes e amolecimento dos dentes, cansaço na mastigação, dor no pescoço, na mandíbula, nos músculos da face, dor e zumbido nos ouvidos, além de estalos ao abrir a boca e insônia. Nesse período de isolamento social, e tensões provocadas pela iminência do risco à saúde, as queixas dos pacientes com sintomas de bruxismo tiveram aumento nos consultórios.

Como funciona o diagnóstico?

Normalmente, alguém próximo da pessoa percebe esse ranger dos dentes e comunica, ou quando procura uma assistência especializada e relata os sintomas.

Faz-se necessário que seja realizada uma consulta com o especialista em dor orofacial, para que o mesmo identifique a causa do bruxismo e assim planeje um tratamento eficaz. Fatores como medicações antidepressivas, instabilidades emocionais, má oclusão, estresse e algumas doenças propiciam o aumento desse hábito.
Atualmente, existem exames que informam com precisão a extensão do dano do distúrbio, como por exemplo, o uso de eletromiografia, que informa o comprometimento das fibras musculares e membranas, além da atividade elétrica, analisando a quantidade de contração exercida pelo hábito deletério.

Quais as formas de tratamento?

O tratamento para o bruxismo irá depender do diagnóstico da causa, que em sua maioria têm origem oclusal. Entretanto vale lembrar que se trata de um hábito, sendo assim é necessário alterar essa prática. Uma dica é se atentar quando estiver acordado, mantendo os dentes desencostados, combatendo o apertamento.

Em muitos casos o odontologista/especialista em dor orofacial recomenda o uso de placas interoclusais rígidas, ajustada na posição ideal de fechamento conhecida como Relação Cêntrica (RC). Essa posição é extremamente confortável para os músculos e para a ATM, sendo considerada uma posição diagnóstica. Além de funcionar como guia para RC, esses dispositivos reduzem o atrito, evitando o desgaste dos dentes.

Em alguns casos, também, é recomendado a prática de atividades que reduzam o estresse psicológico, e até mesmo exercícios que relaxem os músculos maxilares.

Em muitos casos o profissional pode usar da terapia farmacológica, a fim de proporcionar relaxamento muscular e uma melhor noite de sono.

Saiba mais sobre Dr. João Marcos Mattos através do Instagram: instagram.com/drjoaomarcosmattos

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.